segunda-feira, 26 de março de 2012

[Crítica] I Hate My Teenage Daughter - 1x07: Teenage Vacation


Vocês também perderam as cachoeiras pequenas?

Review:
(Spoilers Abaixo)

Então, apesar dessa ser uma série de comédia, eu sou obrigado a começar esta crítica de uma forma tensa. Queria poder dizer que tenho uma notícia boa e ruim, mas eu só estou com duas péssimas. Primeiro que a FOX colocou I Hate My Teenage Daughter na geladeira, tirando a série de sua grade. Parece que o último episódio será o oitavo, e a série só irá retornar em junho, servindo para tapar alguns buracos na programação (ao todo, a série terá 13 episódios). Segunda notícia, é que a protagonista da série, Jaime Pressly (Annie), está escalada como protagonista de uma nova série de comédia da NBC, Bad Girls. Sim, se vocês tinham esperanças que esta série fosse renovada, caia na real. Não teremos segunda temporada!

Bem, depois dessas horríveis, horríveis notícias e ter despedaçado seus sonhos e esperanças, eu estou pronto para criticar o episódio desta semana. Confesso que foi mais um ótimo episódio, onde eu ri muito da besteira dos nossos queridos personagens. O mais interessante dessa sitcom, é o fato dela retornar com alguns plots, coisa que eu sempre reclamo nas outras séries de comédias. Enquanto em outras séries, os plots são completamente esquecidos de uma semana pra outra, nesta, os personagens parecem ter a memória dentro do prazo de validade.

Esta semana, continuamos testemunhando a inconveniência de Gary, que não consegue se controlar depois de saber que Annie gosta do Jack e vice-versa. Neste episódio, ele ficou inquieto, fazendo várias suposições malucos e conspiratórias com o Matt. Mas, a parte mais engraçada dessa história veio mesmo no final, quando Matt ficou pensando que a Nikki gostava dele. E, depois de saber disso, foi observá-la dormindo, para contar que eles simplesmente não poderiam ficar juntos, afinal, ele era melhor amigo do ex dela e vice-versa. O melhor foi a expressão de "Gary, o que você fez?" dela.

Nikki também teve um momento interessante com a Mackenzie, que acabou de descobrir que a mãe é um ser humano, que coisa linda. Achei inesperado a Nikki gritando com sua filha, mas foi muito mais engraçado ela comemorando sua atitude com a melhor amiga. "Eu vi medo nos olhos dela, Annie". Então, esta semana, os roteiristas deram uma humanizada na personagem, que simplesmente não tinha vida alguma. Pelo menos ela ficou BFF (Best friend forever) de sua mãe e até a chamou para a loja de souvenirs. Eu fiquei impressionado com isso, pensei que ela fosse chamar a Sophie, como de costume.

Sophie, que sempre se mostrou mais interessante que sua amiguinha, teve bons momentos neste episódio. Não, ela não se reconectou com sua mãe. Na verdade, ela se mostrou uma mestre na dominação mental, controlando o solitário Jack, só porque seu celular estava descarregado. Além disso, foi ótimo o Jack querendo dar a volta por cima, e aplicando o mesmo método de tortura nela. Morri de rir quando ela revelou que o choro era mais falso que uma nota de três reais e ainda disparou "Você está muito fora de forma, tio Jack". Sim, ela definitivamente é a bitch mor da série. Desde já, ganhou o prêmio de mais cobra-fingida-venenosa da série. Amo essa garota!

Enfim, como eu disse no começo, o episódio foi bem divertido e a série tem crescido bastante no meu conceito. Espero que o resto da temporada seja exibido logo, porque os fãs da série merecem respeito, não é mesmo? Fox está mostrando que não está nem aí com os seus espectadores, tirando, sem aviso prévio, a série de sua grade. Bem, eu só lamento a baixa audiência que a série vem recebendo, porque confesso que é uma das que eu mais rio ultimamente. Que New Girl que nada, eu fico muito mais ansioso por I Hate My Teenage Daughter. Haters gonna hate!
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário