quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

[Crítica] Desperate Housewives - 1ª Temporada


Duração: 45 minutos
Nº de episódios: 23 episódios
Exibição: 2004
Emissora: ABC

“Eu sei o que você fez. Isto me enoja. Eu vou contar”.


Crítica:
(Texto com Spoilers)

Foi essa frase enviada em um papel que fez Mary-Alice Young dar fim em sua própria vida na primeira temporada quente e suja de Desperate Housewives. Com uma promo onde mostrava todas em um supermercado mostrando seus defeitos, podres e suas vidas quase nada perfeita. Marc Cherry, autor da série inspira-se livremente na dona-de-casa mais filha da puta da América Andréa Yates e então daí tem a ideia genial de mostrar os erros, segredos, e a vida de uma real dona-de-casa. Susan, Bree, Lynnete, e Gaby então são levadas a adentrar a vida da sua vizinha, que matou-se há pouco e elas, nem sequer sabiam o real motivo. Pois pra elas Mary Alice tinha a vida perfeita, tinha o jardim mais bonito (depois do da Bree, claro!), tinha felicidade, tinha tudo. As vizinhas jamais imaginariam o que realmente estava lhe esperando “mais além”. E muito além mesmo.

A primeira temporada sempre é a melhor, sem dúvidas. Tantas outras séries estão aí pra provar que a primeira é boa, a segunda sempre vai ser a mais fraca, a terceira dá uma guinada e logo elas resolvem ir embora. Acho que Desperate durou muito, por tantos problemas de critica que sofreu e por tantas perdas que sofreu também. E também quase todas de 2004/05 já foram pro buraco das séries canceladas.

Em exibição ainda, Desperate segue sua história com o mesmo humor negro de sempre, mesmo muitos fãs frustrados acharem que Marc Cherry perdeu a mão, na minha nada humilde opinião, ele só melhorou. Desde o drama de Lynnete até as putarias de Edie e Reneé, as babaquices de Susan até o poder supremo de Bree Van De Kamp Hodge e entre outros sobrenomes que até me perco ao lembrar. E não podia faltar falar aqui da mais linda da vila que é a Gaby. Linda por dentro e por fora, ela faz as cagadas dela mas sempre seguido de um pedido de perdão e uma auto avaliação que só Eva Longoria consegue passar. Não é que foi minha preferida desde a sexta até o final da sétima onde ela seria o ponto inicial para a oitava.

Mas nessa temporada (QUE É A PRIMEIRA) foca no segredo sujo de Mary-Alice Young. Ela se mata no primeiro episódio e suas amigas Susan, Gaby, Lynette, e Bree ficam encucadas com o teor do bilhete que Mary Alice recebeu da vizinha fofoqueira Martha Hurber que havia descoberto que Mary Alice havia matado a ex de Mike Delfino por causa que ela era usuária de drogas e queria tomar Zach (o filho dela que agora era de Mary Alice); e com isso trazendo várias desgraças pro bairro. Tanto que colheu sua própria pois o marido gatão de Mary Alice Paul Young quando descobriu e não deixou barato. Matou Martha. E aí o gancho para a próxima temporada. Quando a irmã doida de Martha chegou na rua, trouxe muitas perguntas e entre uma delas era: Porque Felicia teria se importado com a morte da irmã se ela a odiava? – Nisso Susan conheceu Mike Delfino que veio pra rua investigar a morte da sua ex. Os dois acabam se apaixonando lindamente. E realmente é lindo. Como sempre tem uma vadia na história. Edie Britt também ficou de olho no gatão. E eis que as duas disputaram várias brigas pelo gostosão. Até com o ex marido de Susan, Edie flertou. Tudo pra provocar sua “amiga –vizinha”. Dando aos fãs uma das melhores cenas da primeira temporada. Depois de toda essa loucura Zach também descobriu e prendeu Susan na casa de Mike e aí então, Mary Alice nossa linda narradora revelou tudo.

Contou que fez tudo por amor. Afinal, a garota era uma chapada. Ela deu seu filho, não poderia melhorar e voltar exigindo a criança. Óbvio que nossa narradora delícia se revoltou e fincou a faca nela, literalmente. Claro, nada justifica Paul ter matado Martha, mesmo ela merecendo. Enfim, a primeira temporada tem os melhores takes, as melhores frases finais, as melhores cenas e as melhores estórias.

A primeira sempre vai ser a primeira. É como o primeiro beijo, a primeira vez, o primeiro fora, a primeira cantada. Poderia dar vários exemplos mas é melhor parar por aqui e você correr pra loja mais perto e adquirir sua primeira temporada. Porque meus caros, depois dessa loucura de sites de links fechando vai ser difícil vocês encontrarem pra download. Ou então tenta a sorte e vê na madrugada da Sony. Esses dias vi o quarto episódio. Vale a pena.
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Eu amo essa série só pelas reflexoes finais da Mary Alice, focando no cotidiano das personagens e ainda fazendo gancho com o que eh dito na introdução do episódio....Alguns são tão poéticos e profundos que até já me levaram as lágrimas

    ResponderExcluir