sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

[Crítica] A Mulher de Preto


Direção: James Watkins
Ano: 2012
País: UK
Duração: 95 minutos
Título original: The Woman in Black

Crítica:

O que eles viram?

Todos sabem que histórias de fantasmas vingativos e casas mal-assombradas estão completamente batidas. Eu não sei se, atualmente, é possível dar uma nova roupagem para esta velha fórmula. Talvez, seja por este motivo, que há muitos anos não víamos um exemplar na telona. A Mulher de Preto, um dos filmes mais aguardados por diversos fãs do gênero, se propôs a aceitar este desafio. Com um clima de filme antigo, a história prometia muitos sustos e cenas assustadoras. Qual foi o resultado depois de assisti-lo? Logo vocês saberão.

A história gira em torno de Arthur, um jovem com um passado trágico, onde sua mulher morreu dando a luz ao seu filho. Vários anos depois, ele fica responsável de vender uma casa localizada em um lugar remoto, perto de um vilarejo. Não demora muito para ele perceber que as pessoas locais são estranhas e que escondem um segredo terrível. Depois de passar a noite na casa que planejava vender, Arthur começa a ver a silhueta de uma mulher vestida de preto pelas sombras, e percebe que ela tem ligação com todas as coisas e mortes bizarras que andam acontecendo na região. Agora, ele terá que descobrir o mistério da região, acabar com a maldição e salvar si mesmo. O que os outros viram?

Suspense eficiente com um ator conhecido do grande público, Daniel Radcliffe. Para os mais chegados, ele é o eterno Harry Potter. Sim, por mais que o personagem deste filme seja diferente do bruxinho que praticava magia em Hogwarts, não tem como não se lembrar dele. Mesmo assim, Radcliffe nos entrega uma interpretação decente, que faz de tudo para fugir do lugar comum. E destaque o talento do rapaz, uma vez que, a maioria do filme, ele é o único personagem em cena. E o espectador nunca fica cansado, porque o diretor faz questão de nos manter atentos o tempo inteiro.

Um dos exemplos disso, são as aparições da mulher de preto. Assim que o personagem coloca os pés na casa, ela começa a aparecer quase que imediatamente. E essas aparições não acontecem de forma óbvia, com o típico aumento do som. Por diversas vezes, a mulher chega a ser confundida com o resto da casa, sempre aparecendo no fundo, sem qualquer aviso prévio. Os espectadores têm de estar muito atentos, porque o diretor faz questão de deixar vários quadros abertos na câmera, justamente para o espírito dar as caras. Isso é interessante, porque, conforme a investigação do protagonista vai acontecendo, nós, espectadores, nos vemos em uma alucinante caça fantasma.

O grande diferencial do roteiro, é que ele não pouca ninguém. Geralmente, os outros filmes deste gênero, adoram preservar as crianças, mas, neste, não espere por misericórdia. Um exemplo disso, que deixa bem claro o que está por vir, é exatamente a primeira cena do filme, mostrando o fim trágico de três garotinhas. E os efeitos estão sensacionais, assim como a fotografia e a ambientação. A casa assombrada é perfeita, com seus móveis velhos e brinquedos bizarros, formando um ambiente opressivo e tétrico.

O roteiro ainda fecha o filme com chave de ouro, com uma situação que está longe do final esperado, mas, mesmo assim, não causará revolta. Os únicos defeitos de A Mulher de Preto, são os poucos momentos em que realmente nos faz pular da cadeira e o corte da tensão na passagem de algumas cenas. Mas está mais do que recomendado! Não traz muitas coisas novas para o gênero, mas reúne o que ele tem de melhor. A mulher de preto, que parecia ser o grande destaque, quase não deu as caras. Assustador mesmo, são aqueles que ela leva. Nota 8,5.

Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
7 Comentários

Comentário(s)

7 comentários:

  1. apesar de não esperar nada desse filme ,tua crítica me deu uma animada pra ver essa bagaça.

    ResponderExcluir
  2. "O roteiro ainda fecha o filme com chave de ouro".
    Não sei se está sendo sarcástico ou insultando minha inteligência. Há muito tempo não vejo um bom filme de terror e esse definitivamente não está nessa categoria. Não percam seu tempo com este filme...

    ResponderExcluir
  3. essa mulher de preto é um comensal da morte...
    fez coisa que nem o lord voldemort conseguiu fazer!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo disse...
    "O roteiro ainda fecha o filme com chave de ouro".
    Não sei se está sendo sarcástico ou insultando minha inteligência. Há muito tempo não vejo um bom filme de terror e esse definitivamente não está nessa categoria. Não percam seu tempo com este filme...


    ___

    Como se você fosse muito inteligente para ter sua pseudo inteligência insultada.
    Essa é a opinião dele, respeita, rídiculo.

    ResponderExcluir
  5. tambem não gostei do filme,roteiro arrastado,cenas de susto com tipico som em volume alto,imagens misteriosas que ja vi em centenas de outros filmes,sinceramente um amontoado de cliches,naõ gostei e não quero nunca mais assisti-lo ,regular nota 5,se querem perder tempo esta aí um bom prato.

    ResponderExcluir
  6. Eu dormi vendo esse filme, tava com uma expectativa do caramba, mas, foi perca de tempo.

    ResponderExcluir
  7. "O roteiro ainda fecha o filme com chave de ouro".
    Não sei se está sendo sarcástico ou insultando minha inteligência. Há muito tempo não vejo um bom filme de terror e esse definitivamente não está nessa categoria. Não percam seu tempo com este filme... [2] Concordo

    ResponderExcluir