terça-feira, 31 de janeiro de 2012

[Crítica] Uma Noite Alucinante: A Morte do Demônio


Direção: Sam Raimi
Ano: 1981
País: EUA
Duração: 85 minutos
Título Naci0nal: The Evil Dead - A Morte do Demônio
Título Alternativo: The Evil Dead

Crítica:

A sua última experiência em terror.

Com uma refilmagem ganhando vida, estava mais do que na hora de olharmos para o passado e fazermos aquela maratona esperta. Eu nunca tinha tido a curiosidade de assistir esta franquia, mas como me interessei pela produção do remake, decidi dar uma conferida, para saber o que esperar do novo filme. Aliás, eu também queria ter uma base de comparação entre o original e a refilmagem, porque estar informado é sempre bom. Então podem se preparar, porque eu virei cheio de sabedoria da crítica do remake.

A história desse filme gira em torno de cinco amigos que vão para uma cabana no meio de uma floresta, afastada de todo e qualquer contato com a civilização. Não demora muito para eles acharem um gravador, onde um professor começa a proferir palavras de um livro amaldiçoado. Como resultado, os jovens acabam acordando demônios que estavam adormecidos no bosque. Agora, um por um, todos vão sendo possuídos e transformados em zumbis-demônios e o único jeito que quebrar essa maldição, pode estar no livro que a despertou, em primeiro lugar.

Não sei se vocês repararam, mas eu preferi deixar o título da postagem com o título original do filme. Isso porque há uma certa confusão com os nomes nacionais (Sempre há!). Este primeiro filme foi lançado no Brasil como Evil Dead – A Morte do Demônio, mas os outros receberam o título de Uma Noite Alucinante. Por este motivo, toda a franquia aparecerá com o título original, para não ter confusão. Eu já havia feito isso nas críticas de Wrong Turn (onde as sequências receberam títulos diferentes do original, tudo por causa de uma picaretagem de uma certa distribuidora).

Não quero ser do contra, mas acho que este filme carece de uma produção técnica que tenha mais cuidado. Não comecem a me tacar pedras ainda, eu entendo que o diretor só tinha uma idéia e sonhos nos bolsos e admiro o resultado final. E o melhor é que a produção sabia exatamente o quanto podia arcar sem que o filme se tornasse uma verdadeira palhaçada e realizou algumas sequências respeitáveis. Uma das minhas cenas favoritas é quando alguns personagens estão brincando de jogar cartas e umas das meninas começa a acertar todas e vira completamente possuída. Realmente aterrorizante e surpreendente!

Mas tem algumas coisas que realmente me incomodam neste filme. Talvez o mais evidente seja a “imortalidade” do Ash, o protagonista. Enquanto alguns que, têm apenas um furo feito por um lápis, acabam sendo possuídos, o Ash é mordido, é cortado, é fumado, é tudo e o personagem nunca parece ceder ao lado negro da força. Eu só queria que os outros personagens tivessem um pouco mais de força, ao invés de “respirei e endemoniei”. Espero que isso seja consertado no remake.

Enfim, eu nem preciso dizer se recomendo ou não, certo? É um clássico e isso fala por si só. Se vocês gostam de filmes antigos, vão em frente. Se gostam dos efeitos modernos, irão se decepcionar. Eu estou no meio dos dois, assim como o blog, sou alternativo e posso me adaptar a todos os tipos de filmes. Mas vocês sabem que eu adoro um CGI bem feito, né? Irão me matar por ter dito isso. OBS: Vocês repararam que as coisas mais “fantásticas” e surreais são feitas com massinha de modelar? Nota 9,0.

Trailer Legendado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
8 Comentários

Comentário(s)

8 comentários:

  1. vanessa vasconcelos1 de fevereiro de 2012 14:33

    clássico,apesar de trash.assisti 3 vezes,a primeira vez foi no cine trash da band,pena que acabou,mas tive muito medo da primeira vez ,hoje em dia não dá mais medo ,só diverte.

    ResponderExcluir
  2. Vai ser legal ter uma protagonista feminina dessa vez, só espero que o remake não vá mal e fique só no primeiro.

    ResponderExcluir
  3. Você deveria ter conhecido esse clássico no tempo do VHS, O filme em DVD e BD perdeu um pouco do charme.

    Acho que a beleza do filme está na produção de baixo orçamento que ajudou a criar um clima de crueza no filme.

    Nem todos os personagens são assim tão vulneráveis e fracos como você comentou, o Scott por exemplo era bem mais corajoso que o próprio Ash, tem até uma cena que ele pede pro Ash matar a Shelly e o Ash fica paralisado de medo, então ele toma o machado e corta ela inteira, sem falar que ele só ficou possuído depois de morto.


    Um dos maiores clássicos de todos.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o meu amigo marcelo aê em cima. gosto muito da franquia e a 1ª vez que assisti a este primeiro foi em vhs...Na quela época eu sabia o que era ter medo de um filme de terror, hoje em dia é tudo tão computadorizado que é dificil um filme ser assustador.

    ResponderExcluir
  5. Esse filme é realmente tosco, delirante,puro devaneio, mais é muito divertido e de tão insano se torna viciante e vale muito a pena ver quem ainda não viu... eu tenho o pé atrás com as refilmagens,que geralmente acabam com o original,mas é esperar pra ver...

    ResponderExcluir
  6. esta é a receita de um bom filme,um bom roteiro com muito sangue ,ator carismatico,um toque de nonsense,de extraordinario,sobrenatural,clima sombrio misturado a humor negro que marcaram uma epoca,hoje com toda a tecnologia possivel,não conseguem o mesmo efeito,sabem porque?porque as melhores ideias para um filme ja foram escritas,nos filmes ja se falou de tudo,estes classicos foram os precursores de loiras correndo e caindo,do mocinho que não morre e outros cliches do tipo,viva sam raimi (tem um filme novo dele que é muito bom chama-se : arraste-me para o inferno)

    ResponderExcluir
  7. “respirei e endemoniei” - Adorei kkkkk!. Vamos esperar e ver! Torcendo para ser, no mínimo, um bom remake

    ResponderExcluir
  8. Vei... na boa, kkkk
    "respirei e endemoniei" foi demais kkk, dei pala de rir
    kkkkkkkk

    ResponderExcluir