Especial

Foto:

[Crítica] Alcatraz - 1x03: Kit Nelson


Alguns gostam de atirar em pessoas aleatórias, outros, gostam de crianças.

Crítica:
(Spoilers Abaixo)

Antes de começar a crítica, gostaria de comentar uma curiosidade que aconteceu nos últimos dias, envolvendo a série, é claro. Todos sabem que a prisão Alcatraz realmente existiu e que realmente acontecem passeios com turistas e curiosos no local. Acontece que um grupo de fanáticos pela série, se desviaram do grupo de visitação e foram procurar pela sala secreta que aparece na série da FOX. Totalmente sem noção, né pessoal? Tem gente que não sabe mesmo separar a realidade da ficção. Enfim, eu só queria comentar isso com vocês, porque eu fiquei realmente perplexo com a burrice de algumas pessoas, mas voltemos para a crítica.

Eu não disse que perigos maiores estavam por vir? E logo no terceiro episódio, eles mexem com algo que é delicado, crianças. É uma faca de dois lados, até porque, por mais que seja interessante bizarro ver um psicopata sequestrando uma criança, todos nós sabemos que ela não morrerá e não acontecerá nada com ela. Então, sem grandes surpresas, foi exatamente o que aconteceu. E, respondendo aos comentários sobre a interpretação de Sam Neill, eu não tenho uma opinião formada ainda. Sinceramente, o personagem ainda não pôde mostrar muito e só mantém aquele expressão de "sou durão". Mesmo assim, eu confesso que ele carece de emoções, ainda mais quando pensa na mulher ferida no episódio anterior.

O caso da semana teve bons momentos, principalmente a abertura, que enganou e pareceu que o vilão era conhecido das crianças. E ainda houve uma atmosfera opressiva bem forte neste começo, mas acredito que isso foi se perdendo com o passar dos minutos. Destaco a cena em que o vilão e o garoto "brincam" no lago e achei super chocante quando ele o assassino fala que era a vez ele se afogar o garoto. Mesmo assim, poderia ter sido um pouco mais sombrio. As coisas que o vilão fazia, levando o garoto para alguns lugares bem típicos - como para comer a torta -, são bastante clichês.

E pior ainda foi a explicação para o vilão agir daquela forma. Tudo bem que todos precisam de uma explicação convincente para agirem daquela forma, mas parece que resposta caiu do céu neste episódio. Eu preferia que ele não tivesse história nenhuma, apenas fosse mau e gostasse do que fazia. Uma espécie de pure evil. Então acredito que esta explicação fácil sobre o seu passado tenha estragado um pouco o clímax do episódio, mas nada muito grave, até porque, o final, com o garoto mostrando um pouco de inteligência e fugindo de seu algoz, realmente levantou o nível da série esta semana. Eu não esperava que o garoto fizesse nada e fiquei feliz quando ele fez.

No final, bastou ao Hauser dar um fim ao malfeitor, com uma bala certeira na testa. Gostei disso, porque eu achava que o personagem precisava de um pouco de ação, já que não parecia se mexer para nada. Além do mais, ele teve que se redimir, quando armou para deixar o garoto morrer e pegar o assassino quando ele fosse levar seu corpo de volta para a casa. Neste ponto, eu concordo com o Soto, mas acredito que ele é muito fraco e não tem o coração duro suficiente para este tipo de serviço. Vamos esperar que o personagem se recomponha nos próximos episódios, mas acredito que se o garotinho tivesse morrido, seria o fim dele na série.

E o mais intrigante foi quando o Hauser levou o corpo do Kit Nelson para a fake-clean Alcatraz e o entregou para o doutor - que é o mesmo que atuava anos atrás, levando a crer que ele é um dos que "voltaram". Eu juro que pensei que o doutor daria um jeito de reviver o assassino, mas isso não aconteceu... ainda. Acho que a história da mulher baleada irá render bons momentos ainda e tomar que o Neill expresse algum tipo de emoção, até porque, ninguém pode ser durão o tempo todo. OBS: Interessante o nome dos episódios serem dos presos que o episódios irá explorar, pelo menos assim, eu nunca terei que jogar no google para saber.
Comentário(s)
1 Comentário(s)

Um comentário: