sábado, 24 de dezembro de 2011

[Livro] Destino Final - Capítulo 2: Eu Vi

- Esse navio não vai sair daqui? – Reclamou Chad, jogando uma bola de tênis amarela para cima, ela podia sentir que se perdesse a concentração, a bola acertaria seu rosto.

- Ainda dá tempo de sair, é minha ultima oferta – Alice fechou a gaveta da penteadeira e olhou para ele, a cama onde ele estava deitado estava a sua frente.

- Não, obrigado. Eu vou ficar. E ainda não sei porque você insiste tanto pra que eu pire e saia correndo daqui...

- Porque eu sou sua melhor amiga e sei que por trás deste rostinho lindo e calmo se encontra um garoto com baixa alto estima que está pirando por causa de água? – Não era bem uma pergunta, mas Alice conseguiu deixar Chad desconfortável mesmo assim. Ela andou até a cama e pegou a bola quando ele a jogou novamente no ar – Você sabe que pode falar comigo...

- Alice... – Chad se sentou na cama e se recostou na cabeceira marrom – Eu estou bem, sério. Agora devolve a minha bola.

- Divirta-se – Alice virou o beiço e jogou a bola no colo dele antes de abrir a porta e se retirar do quarto.

Chad pegou a bola e olhou para ela, sentindo-se um idiota. Alice só queria ajudar e ele acabara de mentir para ela, mesmo que ela tenha demonstrado de uma maneira obsessiva que só queria ajudá-lo. Mas por outro lado, ele se sentia bem, não estava prestes a correr dali como pensou que seria quando descobriu que havia ganhado a viagem, mas também não estava se sentindo tão bem a ponto de tirar a roupa e tomar um banho de sol numa das enormes piscinas do navio. Só o que podia fazer era pegar umas bebidas e tomar um porre pra ver se parava de pensar por um momento.

Ele se levantou da cama num pulo e abriu sua mala que estava no chão. Tirou de lá o livro “Sea Evil” que seu pai lhe dera quando era criança, mesmo sendo um livro de terror onde várias pessoas morrem de forma brutal. Ele olhou para a capa por um momento, ilustrada por um desenho colorido de um barco a vela sendo sugado pelas enormes ondas do oceano em meio a uma tempestade. Se levantou e saiu do quarto com o livro nas mãos. Quando fechou a porta, a primeira coisa que viu foi um casal se beijando. Tentou não ligar para aquilo, estava tentando ser normal, e ter medo de viajar de navio e não suportar ver alguém se beijando só porque não fazia nem um ano que tivera sua primeira decepção amorosa não eram coisas normais.

Ele andou pelo corredor, desviando de algumas pessoas que passavam, a maioria famílias que vestiam roupas leves de praia e óculos escuros. Antes do corredor terminar ele notou um mapa na parede, parecia ser a localização de tudo o que se encontrava no navio. Passou o dedo por cima do salão de jogos e da sala de jantar, estava procurando algum lugar onde o silencio predominasse para que pudesse ler seu livro em paz e talvez sentir o vento bater em seu rosto, mas aquele lugar parecia inexistente. A melhor opção era sentar-se sozinho numa das mesas na segunda sala de jantar e tentar não ligar para o barulho que as pessoas ao redor poderiam fazer.

Decidido, ele caminhou pra segunda sala de jantar, que possuía um ambiente mais arejado e simples, como se fosse um bar de beira de praia. Quando chegou, logo notou que o lugar estava lotado. Apenas uma mesa estava livre, ficava bem ao lado da mesa onde Naomi conversava com Zac, o policial até então desconhecido para Chad. Ao lado dela estava Rachel, praticamente desmaiada encima da mesa, parecia estar num sono profundo.

Chad se sentou à mesa e abriu seu livro exatamente no capítulo onde havia parado. Quando ele leu o nome “Fúria”, sentiu algo estranho. Na verdade, ouviu, era algo como um estalo de alguma coisa. Ele olhou ao redor, mas não viu nada que pudesse fazer aquele barulho.

Ele realmente não sabia que no andar das máquinas, dois homens discutiam sobre o mal funcionamento de uma delas. Nada parecia errado, a não ser que as máquinas estavam fazendo mais barulho que o normal, os dois homens mal conseguiam se comunicar ali embaixo. Ao lado de um deles tinha uma máquina gigantesca, que girava no sentido horário e parecia ser um grande perigo para quem se aproximasse. Mal eles sabiam que havia uma rachadura enorme em uma das chaminés, apesar de sentirem que o calor ali embaixo estava insuportável.

Um dos homens que cuidava das chaminés foi chamado por um dos homens que estava discutindo há poucos metros dali. Ele limpou suas mãos sujas de graxa e jogou o guardanapo encima de uma pequena mesa ao lado, derrubando a lata pequena de diesel que estava ali encima.

Na sala de jantar, Chad já havia lido duas páginas de seu livro, mas não conseguia se concentrar com os risos escandalosos de Naomi na mesa ao lado. Ele olhava para lá de vez em quando e a via fazendo charme para Zac com o olhar, mas foi só olhar pra baixo que viu ela roçando suas pernas nas dele. Foi o que bastou para Chad revirar os olhos, ele iria se esforçar mais para não ligar pra nada, ou então seria mais chato do que já estava sendo, pelo menos na sua opinião.

Foi aí que ele sentiu um vento gelado passar por seu corpo. O vento arrastou um lenço de papel que havia em sua mesa e quase virou a página do livro que ele estava lendo. Ele olhou pra janela a sua direita e achou estranho, já que ela estava fechada. Então de onde surgiu aquele vento? Ele olhou para Rachel que estava deitada a sua frente, o vento estava batendo em seus cabelos castanhos e ela se mexeu.

Lá embaixo, na sala de máquinas, enquanto alguns operários discutiam sobre alguns problemas e até ameaçavam falar com o capitão Biltz, a lata de óleo diesel alagava o chão. O liquido percorria o caminho a sua frente, aproveitando uma depressão no chão para forma uma possa próxima aos tubos prateados de gás, que possuíam um metro de altura e uma enorme capacidade de destruição.

Enquanto isso, Chad lutava furiosamente para ignorar Naomi e continuar a ler seu livro em paz, mas não era apenas ela que o estava deixando nervoso. Aquela sensação não passava, ele estava começando a sentir aquela vontade de sair dali, pois não agüentava sentir tanto agouro. Ele olhou pra frente e na entrada da sala de jantar viu Alice, ela estava olhando pra ele e sorrindo, e parecia nem pensar em ir até ele. Eles estavam distantes, mas Chad deixou o livro na mesa e lançou um sorriso tímido para a amiga. Naquele exato momento, uma mulher que estava passando ao lado da mesa de Chad acabou deixando um pouco de sua bebida cair encima dele.

Chad se assustou e deu um pulo, enquanto a mulher desastrada pedia desculpas sem parar. Ela retirou um lenço de sua bolsa preta e tentou limpar a calça comprida do garoto, mas ele dizia que estava tudo bem. Olhou pra baixo e viu o estrago que o café daquela desconhecida havia feito em sua roupa, mas não foi apenas nele, um pouco do café também havia caído em seu livro, mas de uma forma estranha. O café sujou apenas o nome do próximo capitulo, e ele ficou marcado como se tivesse sido grifado manualmente. Chad leu o nome, era “Morte na água”, e sentiu mais daquele estranho agouro de antes.

Ele olhou pro lado quando notou que duas crianças estavam correndo pela sala. Elas eram loiras e tinham dois navios de brinquedo nas mãos, atrás delas estava uma mulher que parecia ser a mãe deles, ela gritava desesperadamente para eles pararem de correr. Do outro lado, Chad viu o garoto com fones de ouvido que não estava prestando atenção na confusão e achou estranho que pudesse ouvir a musica que ele estava ouvindo. Encima dele, notou um lustre enorme que estava balançando e fazendo um barulho estridente. Tudo ali parecia agourento demais, como se fossem sinais, que Chad não conseguia compreender.

Alice riu da situação, mas decidiu se controlar, pois Chad poderia ficar com raiva. Ele olhou para ela quando a mulher se desculpou pela milésima vez e foi embora, sabia que ela estava com alguma coisa na cabeça quando sorriu maliciosamente para ele. Alice deu alguns passos e pegou o copo de suco de uma das mesas de um garoto que parecia distraído e caminhou até a mesa de Naomi. Na cara de pau, jogou o suco encima dela e começou a fingir que tinha sido sem querer.

- Ai, me desculpe, eu estou tão distraída hoje – Disse Alice, num tom completamente falso.

Naomi se levantou com a boca aberta, aquele suco estava gelado demais e ela tinha acabado de ficar furiosa com Alice. Zac também se levantou, uma parte do suco havia derramado nele, mas Naomi estava completamente ensopada.

- Mas que diabos? – Ela gritou – Você não olha por onde anda, sua selvagem?

- Me desculpe, eu ando tão distraída ultimamente...

- Talvez você deva comprar um cão guia ou simplesmente evitar lugares onde pessoas vão, se não consegue se comportar como um ser humano.

- Se ser humana significa agir como uma piranha necessitada igual você, eu realmente prefiro ser de outro planeta.

- Ow, gente, calma aí – Pediu Zac.

- O que você disse? – Naomi deu dois passos na direção de Alice e ficou cara a cara com ela.

Da outra mesa, Chad observava tudo, se perguntando porque Alice sempre tem que arrumar briga com as pessoas pra se divertir. Mas pelo menos foi com Naomi, se ela tivesse se vingado de Serena seu pai já teria os expulsado do navio. Foi então que ele ouviu o barulho do navio zarpando, é, não dava mais para voltar atrás.

- Ah... – Alice olhou pro lado e riu, mas logo depois voltou a olhar nos olhos de Naomi – Disse que você é uma piranha necessitada. E antes de se sentir ofendida, estou logo deixando claro que isso é pela festa da Chrissy no ultimo final de semana.

- O que? – Naomi estava com mais raiva ainda, não acreditava que uma garota de baixo nível como Alice tinha ousado falar assim com ela.

- Policial – Alice olhou para Zac – Você sabia que Naomi transou com o irmão do meu pai no ultimo sábado?

- Vagabunda! – Naomi avançou para cima de Alice.

Todos os olhares voltaram-se para as duas imediatamente. Zac tentou segurar Naomi, a garota agarrou justamente os cabelos de Alice, que tentava empurrá-la. Do andar de cima ao da sala de jantar, Serena assistia a briga das duas com um sorriso no olhar, achava difícil ver aquilo todos os dias. Chad imediatamente tentou segurar Alice, mas não conseguiu, ela acabou acertando uma cotovelada nele sem querer que o fez cair pra trás, dando de encontro com o garçom, que também caiu com bandeja e tudo.

Chad olhou pras duas, dois homens dali já tinham contido a briga, cada um segurando uma delas.

- Eu vou matar essa vagabunda! – Gritava Naomi, tentando se soltar dos braços de Zac.

- Você destrói um casamento e a vagabunda sou eu? – Provocou Alice, que já estava toda descabelada.

Ele olhou para Rachel, ela ainda estava dormindo na mesa, como se toda aquela gritaria fosse pouco para lhe despertar de seu sono profundo. Ele sentiu seu nariz sangrar e olhou para ele, era o resultado da cotovelada acidental de Alice.

Na sala de máquinas, a distração dos operários acabou fazendo com que as faíscas das maquinas de cima caíssem na possa de óleo diesel e o fogo se formou. Só depois de alguns segundos que os operários perceberam que o fogo estava começando a consumir os tubos de gás. Eles gritaram, desesperados.

- Eu quero que você morra, vagabunda! – Gritou Alice, logo quando se soltou de um dos homens que havia contido a briga – Está entendendo? Morra!

Os tubos de gás na sala de máquinas explodiram imediatamente, matando os operários que tentaram evitar a tragédia. O navio inteiro tremeu e muitas pessoas gritaram. Todos que estavam na sala de jantar caíram no chão com o tremor, todos sabiam que tinha sido uma explosão, mas não sabiam sobre seus efeitos. A primeira coisa atingida foi a chaminé rachada, que ao invés de explodir acabou caindo pro lado. Quando as pessoas viram o que iria acontecer, mais gritos se formaram. O lustre caiu encima da cabeça de Alice, mas não a matou, apenas a fez ficar sem forças para se mover dali. A chaminé em forma de cilindro caiu na direção da sala de jantar, perfurando todos os outros cômodos pelo caminho.

Chad, que estava na direção de Alice, afastou-se pro lado imediatamente e viu quando ela esmagou a amiga. O sangue dela espirrou em seu rosto e uma grande quantidade de desespero começou a consumi-lo, enquanto o restante das pessoas gritava de medo.

Logo outra explosão aconteceu no interior do navio, ele tremeu novamente. Rachel finalmente despertou e viu o tamanho do estrago, precisava sair dali imediatamente. Junto de todos daquela sala, ela correu, segurando a mão de Naomi. Chad tentou ignorar o choque pelo ocorrido e fez o mesmo, para a mesma direção em que todos estavam correndo.

Serena, no andar de cima, gritava desesperada enquanto corria pelos corredores junto das outras pessoas Só o que ela queria era que alguém a tirasse dali, pois não queria morrer daquele jeito. Ela correu para um corredor onde podia ver a luz do sol, era a ponta do navio. Quando chegou lá, olhou pro chão, as pessoas estavam se jogando na água para salvar suas vidas, mas ela não tinha a mesma coragem e era alto demais. Pro seu azar, um dos cabos que segurava aquele pequeno pátio se soltou e o fez cair para o lado esquerdo. Ela tentou se segurar, mas não dava, caiu na frente do navio, passando de raspão pela ponta que feriu seu ombro.

Na água, o sangue do seu ferimento se espalhava e só o que ela via era a água ficando vermelha. Ela estava embaixo do navio, ele estava partindo em direção ao oceano em velocidade máxima. Quando olhou pra trás, viu suas enormes hélices e tentou gritar, mas a água impediu. Elas partiram a garota em pedacinhos, fazendo o sangue se espalhar ainda mais na água.

Ainda no navio, Rachel corria com Naomi em suas mãos procurando as bordas do navio para pularem, ou então morreriam naquela explosão. Outra explosão aconteceu no interior do navio, fazenda Naomi soltar a mão de Rachel e cair pro outro lado. No outro corredor, Chad corria na direção dos quartos para procurar por Scott e Jill, queria tentar salvá-los antes que acontecesse o pior. Mas a maioria das pessoas estava correndo na direção contrária a ele, fazendo-o cair no chão.

Zac, por outro lado, já havia encontrado as bordas do navio, mas estava no terceiro andar e seria muito difícil pular. Ele fitou o chão, era onde as piscinas ficavam, pessoas se jogavam pela borda do navio por lá. Quando outra explosão foi formada, Zac acabou caindo numa das piscinas, com desespero em seu coração, pois pensou que tocaria o chão de madeira e encontraria a morte ali mesmo.

Quando voltou para a superfície, ele fitou o pequeno pátio branco onde estava e viu que outra chaminé em forma de cilindro estava caindo em sua direção. Ele se desesperou e nadou para as bordas da piscina imediatamente, mas a chaminé acertou um dos quartos do segundo andar, fazendo-o desmoronar pro lado. O teto do quarto caiu e as coisas que estavam nele foram todas na direção de Zac. O concreto atingiu sua cabeça e ele morreu junto com os desafortunados que também estavam ali.

Enquanto isso, Chad continuava correndo pelos corredores do navio em destruição, visando encontrar seus amigos antes que tenham o mesmo fim que Alice.

- Scott! Jill! – Ele gritava.

Quando viu e Scott e Jill correndo por ali, se desesperou e começou a gritar mais. Ele conseguiu alcançá-los, Jill estava mais do que assustada.

- Venham comigo! – Gritou Chad, sem dar tempos dos amigos falarem nada. Os três saíram correndo pela esquerda enquanto tentavam fugir das lâmpadas que estouravam nos corredores.

Outra enorme explosão se formou e o navio partiu-se ao meio. Chad e Jill conseguiram pular pelo enorme buraco que a divisão formou, mas Scott acabou caindo. O navio balanceou e começou a afundar, deixando a ponta dele onde estavam os carros ir ficando pra cima cada vez mais. Jill estendeu a mão para Scott, ele estava quase caindo no buraco onde podiam ver fogo se formando.

- Me dá sua mão! – Ela gritou.

- Eu não consigo subir! – O desespero de Scott só ia aumentando.

Chad correu e ficou ao lado de Jill. Ele estendeu a mão para Scott, mas o garoto tinha medo de segurar e cair na água assim como muita gente que fazia o mesmo. Chad olhou pro lado e viu uma garota pendurada na madeira assim como Scott, ela gritava por ajuda, mas ele não podia fazer nada.

- Scott, por favor! – Gritou Jill!

- Jill, corre! – Mandou Scott assim que a madeira começou a estalar.
 
Chad olhou pra baixo e viu que o navio estava afundando cada vez mais. E quanto mais ele afundava, mais a parte onde ele e Jill estavam ficava na diagonal. Ele viu a enorme rachadura do andar debaixo, alguns fios de eletricidade estavam soltando, quase encostando na água.

- Jill, a gente precisa ir! – Gritou ele, quando viu o que estava prestes a acontecer, eles não poderiam salvar Scott.

- Não! – Gritou Jill, Chorando – Scott, me dê sua mão!

Scott tentou, mas escorregou e acabou caindo na água, quase batendo sua cabeça na parede rachada do primeiro andar, que já estava quase submerso. Ele voltou a superfície e olhou pra cima, Jill e Chad ainda estavam olhando pra ele. Ele se sentia bem, era só nadar dali para o cais que ficaria tudo bem, se não fossem os fios soltos de eletricidade que acertaram a água e mataram todos que estavam nela eletrocutados. As luzes começaram a piscar freneticamente, Jill não parava de gritar por estar vendo seu namorado morrer. Chad tentou tirá-la dali, mas a garota só gritava, uma parte dela queria pular ali pra morrer junto do amor da sua vida.

Todos aqueles que haviam pulado do navio e estavam quase chegando ao cais nadando também morreram eletrocutados. Pular para a água demonstrou ser perigoso demais.

Chad segurou Jill pelos ombros e olhou em seus olhos.

- Jill, corre! A gente precisa correr! – Ele disse – Vem comigo – Ele puxou Jill pela mão e os dois correram, já estavam sentindo a pressão que o navio na diagonal fazia neles pra caírem.

Os dois correram desviando de várias pessoas no caminho, que caiam, choravam, imploravam por suas vidas, mas parecia não ter saída, Chad e Jill precisavam pelo menos ficar vivos o quanto podiam.

Eles correram até encontrar o lugar onde ficava os carros e deram de encontro com Rachel e Naomi na entrada. A sala já estava completamente destruída, havia uma chaminé caída do lado esquerdo, que havia amassado vários carros dali. Naomi chorava desesperada, mas não gritava, queria apenas que Rachel arrumasse um jeito de salvá-la. Rachel olhou para Chad por alguns segundos, tinha sangue no rosto, do homem que estava perto dela há poucos minutos e acabou sendo esmagado pelo teto que caiu. Ela olhou pra frente e depois daquela sala havia uma porta, ela tinha certeza que ela dava na outra ponta do navio.

- Ali! – Ela gritou e correu com Naomi, ignorando todos os barulhos estrondosos que aquele acidente estava causando.

Chad e Jill fizeram o mesmo, fazendo forças para continuar em pé, já que aquela parte do navio estava na diagonal, a gravidade os puxava. Os carros daquele enorme salão começaram a cair, mesmo com os freios, Chad e Jill começaram a achar que correr por ali parecia uma escalada com obstáculos.

Bem á frente deles, um dos carros caiu em outra direção e acabou acertando Naomi. Ela se soltou das mãos de Rachel e caiu na direção de Chad e Jill. Chad se segurou no carro vermelho ao seu lado com uma mão e com a outra tentou aparar Naomi, que escorregava pelo assoalho. Ele segurou em sua blusa e olhou para seus olhos, cheios de lágrimas. Naomi finalmente começou a entrar em desespero e soltou vários gritos de pavor, principalmente quando viu que sua blusa estava rasgando. Ela era leve e fina, e com o navio naquele estado, seu corpo fazia força para ir pra baixo enquanto Chad tentava impedir que isso acontecesse.

- Me segura! Me segura! – Ela gritava.

- Naomi! – Gritou Rachel lá na frente, segurando-se num dos carros que estava quase caindo como todos os outros.

Naomi olhou pra cima e viu um pneu caindo pelo assoalho em sua direção. Ela deu um ultimo grito antes do pneu acertá-la no rosto. Chad acabou soltando sua blusa com o impacto e Naomi caiu até o final do salão. Ela bateu sua costa na parede e fechou os olhos. Sua boca sangrava e sua testa também, ela estava sentindo uma enorme dor de cabeça por causa do baque. Ela olhou pra frente, os três ainda olhavam pra ela, preocupados. Depois voltou seu olhar para o fim do salão, a enorme porta de ferro balançava, ela estava um pouco destruída devido a queda da chaminé.

Uma parte de metal da porta se soltou e rodopiou na direção dela. Rachel viu o que iria acontecer e gritou. Chad e Jill se afastaram ou então seriam partidos ao meio. Naomi deu o ultimo grito antes da porta de metal atingi-la no rosto e partir sua cabeça ao meio na vertical.

- Corre! Jill! Corre! – Gritou Chad, depois de ter se recuperado das náuseas causadas por ter visto o estado de Naomi.

Jill obedeceu e continuou a “subir”, segurando-se sempre nos carros. Rachel limpou suas lágrimas e fez o mesmo. Chad foi o ultimo, mas parecia estar mais concentrado em vencer aquele obstáculo. Ao lado deles, pessoas caiam, derrapavam para onde o corpo de Naomi se encontrava. Elas tentavam se segurar neles ou em qualquer outra coisa, mas não tinha jeito.

Rachel conseguiu alcançar a entrada, com dificuldade e se segurou no que restou da enorme porta de metal. Ela podia ver a ponta do navio, alguns sortudos estavam lá. Ela se recostou no que restou da parede, aproveitando-se do fato da gravidade puxá-la contra ela, e isso lhe dava um equilíbrio. Estava sentindo muita dor porque estava perto da chaminé em chamas, todo aquele calor estava começando a queimar seu corpo. Ela gritou com medo, assim como Jill lá dentro.

A garota parecia que não iria mais agüentar, acabou escorregando e caiu para trás de Chad, que a segurou pela mão no exato momento. Ela estava chorando, desesperada, segurou logo no carro ao lado e soltou a mão dele, que conseguiu chegar até onde Rachel estava. Rachel se segurou na ponta do navio e olhou pra baixo, ela queria se jogar dali pra nadar até o cais, mas era alto demais. Várias pessoas se jogavam, mas ela não tinha essa coragem. Andou segurando-se na borda do navio até a ponta. Chad e Jill fizeram o mesmo atrás dela.

Rachel, assim como dois homens do outro lado da ponta do navio, subiu no casco e olhou pra baixo. Aquela parte do navio já estava quase em pé, afundando devagar. Chad foi o próximo a subir na ponta do navio, ele ficou ao lado de Rachel. Olhou para Jill e estendeu a mão para ela, que estava com muitas dificuldades para conseguir alcançá-los por causa do calor da chaminé.

- Jill, me dá sua mão – Ele estendeu a mão pra ela, enquanto Rachel torcia ao lado.

Jill estendeu a mão para ele, mas apenas as pontas de seus dedos se tocavam, estavam muito longe para ele conseguir agarrar sua mão de jeito. Atrás dela, a chaminé esfumaçava e a fumaça atrapalhava seus olhos. Num tremor repentino, a chaminé virou pro lado, ficando completamente embaixo de Jill. A garota gritou, o calor só aumentou.

- Ai meu Deus! – Gritou Rachel ao lado quando viu o que poderia acontecer.

- Jill! Segure a minha mão! Só falta mais um pouco!

- Eu não consigo! – A fumaça da chaminé fez Jill fechar os olhos.

A garota fez força e conseguiu dar mais dois passos. Se segurou na mão de Chad, mas estava longe de sentir alívio.

- Jill, te peguei!

De repente, o casco onde Chad apoiava os joelhos rachou e uma parte dele caiu. Ele acabou soltando a mão de Jill, ela caiu direto na chaminé até onde de encontrava os carvões. Sua costa tocou o fogo e ela deu um enorme grito de dor, aquele lugar estava começando a queimá-la viva. O fogo consumiu Jill e começou a queimar sua pele. Chad, lá encima, estava horrorizado com os gritos da amiga, só queria que aquilo parasse. Rachel virou o rosto, aquela foi a cena mais horrível que já vira na vida.

Jill, completamente queimada lá dentro, não tinha mais forças para gritar, mas ainda estava viva, sentia o fogo acabar com seus órgãos e devagar destruir sua pele. Ela estava careca, seus cabelos já haviam sido totalmente queimados e em sua pele havia queimaduras que não teriam tratamento. Ela se deitou no carvão, esperando a morte, a aquela altura estava implorando pra morrer rápido.

Chad parou de olhar pra chaminé e olhou pra baixo, o navio já estava completamente em pé, afundando devagar. Rachel olhou pro lado e viu os dois homens, contemplando da mesma cena. Um barulho bastou para Rachel saber que mesmo estando ali, não estavam seguros. O casco começou a rachar e os primeiros a cair dali de cima foram os dois homens ao seu lado. Ela quase caiu, mas conseguiu se segurar numa ponta, assim como Chad.

Eles podiam ouvir os gritos das pessoas lá embaixo, Rachel também gritava, sabia que se caísse ali, morreria.

- Rachel! – Gritou Chad – Segura!

- Não dá! – Ela gritou de volta.

Embaixo deles, uma enorme explosão se formou. Chad olhou pra baixo e depois pra sua mão, a parte em que ele segurava também estava rachando, eles iriam morrer. Rachel não agüentou e se soltou, um segundo depois Chad também. Os dois caíram direto no meio da explosão e Chad sentiu as chamas consumirem seu corpo, na pior dor que sentira em toda a sua vida.

--

Uma lágrima escorria do olho esquerdo de Chad enquanto ele engolia em seco. De sua boca saiu um suspiro gelado. Ele estava em choque e nem sabia o que estava acontecendo, só sabia que seu coração estava acelerado.

Ele olhou ao redor, ainda estava na sala de jantar, com seu livro nas mãos, tudo parecia estranhamente normal. Mas o que havia acontecido? Ele viu o navio explodir, seus amigos morrerem e sentiu a dor de sua própria morte, mas de algum jeito ainda estava ali, sentado. Teria sido um sonho? Como seria possível se nem dormindo ele estava?

De repente, uma mulher distraída acabou derramando seu copo de café encima dele. Ela começou a pedir desculpas imediatamente. Chad deu um pulo e olhou pro lado, viu duas crianças correndo pela sala de jantar com navios de brinquedo nas mãos. Atrás delas estava sua mãe, desesperada, mandando-os ter mais cuidado. Ele olhou para trás e viu um garoto com um fone de ouvido, ouvindo um rock pesado. A ultima coisa que notou foi seu livro sujo de café encima da mesa. A frase “Morte na água” estava grifada.

Foi o que bastou para ele perceber o que estava acontecendo. Ele olhou para Alice na entrada e um grande desesperou se formou quando ela começou a dar os primeiros passos. Ele empurrou a mulher que pedia desculpas ao seu lado e correu na direção da amiga. No caminho, acabou batendo em Rachel que estava dormindo na mesa da frente. Ela despertou como num susto e olhou para Naomi, que a encarava com surpresa.

- O que foi, Ray? – Ela perguntou.

- Esse navio! Esse navio vai explodir! – Gritou Chad – Alice a gente precisa sair daqui!

A atenção de todos na sala se voltou para Chad. Rachel, ainda parecia assustada em sua cadeira. Ela fitou a mesa, lembrando do sonho estranho que acabara de ter. Ela viu o navio explodindo, as mortes, lembrava exatamente como Naomi morria e aquilo começou a torturá-la por dentro.

- Cala a boca, idiota! – Gritou Naomi para Chad.

- Estou falando sério! – Chad gritou, estava muito nervoso, mal conseguia pensar. Suor caia de seu rosto e lágrimas encheram seus olhos.

- O que está acontecendo? – Zac se levantou e foi até ele.

- Nada, ele só está assustado. Ele tem fobia a água – Disse Alice ao policial

Naquele momento, alguns comissários de bordo apareceram perguntando o porquê de toda aquela gritaria.

- O navio vai explodir! Eu vi! Eu vi as mortes, eu vi tudo! – Chad gritava como se fosse lunático.

- Ele está drogado? – Perguntou um dos comissários de bordo – Estamos quase zarpando.

- Não! Não façam isso! – Gritou Rachel, lá atrás. Ela já estava chorando, e concordava com Chad, ela também tinha visto. Levantou-se e correu até eles – Eu também vi! Vai acontecer um acidente, vai haver uma falha! Todos vão morrer!

- Rachel? – Naomi se levantou e olhou perplexa pra prima, não esperava aquilo dela.

- Chame o capitão – Ordenou um dos comissários de bordo e o outro obedeceu.

- Vocês precisam acreditar em mim! Eu vi! – Rachel continuou gritando, ela ainda podiam sentir o fogo da explosão em sua pele como se fosse tudo real.

A atenção de todos já estava nos dois. Chad fitava Rachel, com duvidas. Ele não conseguia raciocinar direito, não fazia idéia do que estava acontecendo com Rachel, mas sabia que os dois estavam certos.

- Para com isso Rachel, você está me assustando – A voz de Naomi era cautelosa, ela estava ficando realmente assustada.

- Por que esse escândalo todo? – Perguntou Serena, tinha acabado de descer para a sala de jantar – O que vocês pensam que estão fazendo no navio do meu pai? Tirem eles daqui, agora! É isso que acontece quando colocam lixo no lugar onde não devem estar.

- Vai se ferrar sua vagabunda! – Alice avançou em Serena, as duas caíram no chão.

Alice segurou no cabelo de Serena enquanto ela gritava por socorro. O comissário de bordo que ficou, junto de mais dois homens, separaram as duas.

Chad sentiu sua cabeça latejar. Ele viu Alice brigando com Serena, mas não ligava pra isso, só queria sair dali. Ele correu na direção da saída e deu de encontro com Scott e Jill.

- Cara, o que está acontecendo aí dentro? – Perguntou Scott – Eu ouvi os gritos, era você?

- Esse navio vai explodir, droga! A gente tem que sair daqui! – Chad correu na direção do corredor onde ficava a escada para os outros andares.

- Chad! – Gritou Scott, correndo atrás dele.

Rachel fez a mesma coisa que Chad, saiu correndo sem nem tomar cuidado em pegar seus pertences. Naomi correu atrás dela, obviamente, enquanto os comissários de bordo que apareceram estavam retirando Alice e Serena do navio.

Chad chegou até a porta por onde entraram e foi barrado por um comissário.

- Abre essa porta! Eu quero sair!

- Mantenha a calma, senhor – O homem pedia.

Chad começou a bater na porta, querendo que ela se abrisse. O homem tentou impedi-lo, mas ele lhe acertou um soco e o jogou no chão. Zac e mais um policial chamado Ross estavam chegando ao local. Ross segurou Chad, ele se debatia enquanto gritava sem parar. Era muito desespero pra uma só pessoa.

- Abra essa porta – Ordenou Zac ao comissário, que enxugava o sangue que saia de sua boca – Abra essa porta, agora!

O homem obedeceu e abriu. Chad correu pela porta, sem se preocupar se iria cair nos degraus da escada a sua frente. Ele desceu correndo, sendo seguido por Zac e Ross. Logo depois Scott e Jill fizeram o mesmo, queriam ir atrás do amigo pra perguntar o que estava acontecendo. Rachel foi a próxima a descer, estava tentando ignorar os gritos de Naomi atrás dela.

Chad chegou a Terra firme, mas não se sentia mais aliviado por isso. Ele correu até o pequeno banco vermelho de ferro do cais e parou, tentando controlar o choro.

- Garoto, eu preciso saber o que está acontecendo – Perguntou Zac, mas Chad não virou para olhá-lo. Ele olhou para seu amigo Ross – Volte pro navio, eu cuido disso.

- Tem certeza?

- Tenho, pode voltar.

Ross obedeceu e caminhou na direção da enorme escada branca.

- Rachel, pare! Agora! – Ordenou Naomi, mas Rachel não parou de correr.

Naomi segurou pelo braço dela e a virou contra sua força.

- Me solta!

- Eu quero saber que porra foi essa! Você ficou maluca, garota? – Os gritos de Naomi eram estrondosos.

- Naomi, vai explodir – Rachel não gritou, apenas falou numa voz de choro.

No topo da escada branca, Serena e Alice estavam sendo retiradas a força do navio. Serena gritava coisas como “sou uma estrela, tire suas mãos de mim” enquanto Alice só pedia para soltá-la. Quando chegaram lá embaixo, os comissários jogaram as duas no chão. Serena se levantou com revolta.

- Eu sou filha do dono desse navio, como ousam me tratar assim?

- Serena – Disse o capitão Biltz, do topo da escada.

- Papai – Serena subiu as escadas e foi falar com ele – Eles me pegaram a força, me jogaram no meio da rua! Papai você precisa despedi-los!

- Seu comportamento foi imperdoável, Serena – Disse ele, através da enorme barba branca – Não posso fazer o que me pede.

- Mas eu sou sua filha! – Ela gritou.

- Que a partir deste momento está vetada de meu cruzeiro.

Ross e os outros comissários de bordo entraram no navio e o capitão Biltz fechou a porta.

- Você vai se arrepender disso, velho asqueroso! – Gritou Serena.

Chad, lá embaixo, olhava para o chão sem saber o que pensar. Algumas pessoas que estavam no cais voltaram a atenção para ele, que parecia estar muito perturbado. Foi só Serena descer as escadas que o capitão ordenou para que fossem retiradas, pois o navio iria zarpar.

Scott correu até Chad e segurou em seu ombro, querendo reconfortar seu amigo, mas por dentro estava achando aquele escândalo ridículo, já que isso os fez perder três dias com tudo pago num cruzeiro luxuoso.

- Chad, o que você tem? – Ele perguntou, mas Chad não respondeu – Vamos, vem comigo, vamos sentar no bar e conversar.

Chad se deixou levar pelo amigo. Todos os outros seguiram ele e Scott, menos Serena, que ficou olhando para o navio de braços cruzados, emburrada por ter sido vetada da viagem pelo seu próprio pai.

Quando entraram, aquele sininho da entrada tocou. Scott guiou Chad até a mesa vazia mais próxima e os dois sentaram. Alice e Jill sentaram na mesma mesa. Naomi e Rachel, quando chegaram à porta do bar, pararam de andar. Naomi, que segurava Rachel, parou quando a prima parou, já estava começando a ser solidária. Rachel se sentou no banco de ferro vermelho à frente do bar e Naomi se abaixou para ficar da mesma altura que ela.

- Ray, o que aconteceu? – Ela perguntou, mais calma.

- Eu não sei... – Disse Rachel, chorando muito – Eu estava dormindo e sonhei com o navio explodindo e tinha essa... Essa coisa que caia encima de uma menina e todo mundo corria então o navio explodia e eu via você morrer e...

- Calma, calma. Você me via morrer?

- Sim... – Rachel tentou não lembrar da visão de Naomi morrendo.

Lá dentro, após alguns minutos, Chad parecia mais calmo. Alice estava voltando com um copo de água com açúcar do bar, ela o deixou na mesa assim que Jill começou a massagear o ombro do amigo para consolá-lo. A respiração dele já estava voltando ao normal, mas aquelas imagens não saiam de sua mente. Ele sentia sua cabeça latejar e ficou intimidado com o olhar desconfiado que o Policial Zac lançava para ele do bar.

- Agora fala, o que aconteceu? – Insistiu Scott.

- Eu vi... Eu vi vocês morrendo, eu vi o navio explodindo... Eu senti a minha morte, era tudo tão real...

- Foi só um sonho, Chad. – Indagou Jill.

- Eu não sei, eu só... – Chad começou a chorar de novo – Eu não sei o que aconteceu.

Alice e Scott trocaram um olhar cauteloso, não faziam idéia do que tinha acontecido e era terrível demais achar que seu amigo estava fazendo tudo aquilo só para fugir da viagem de seus pesadelos.

- Bom, garoto – Zac se levantou da mesa – Você acabou de privar seus amigos dos três melhores dias de suas vidas. Só espero que você tenha um bom motivo.

- Eu só queria salvar suas vidas! – Gritou Chad.

- Salvar de que? Você deve ser maluco...

- Cala a boca! – Ordenou Alice, sem medo por Zac ser um policial.

- Ai meu Deus! – Gritou Serena, do lado de fora, alto o suficiente para todos daquele bar prestarem atenção.

Eles olharam pela janela e viram o navio explodindo. O vidro do bar imediatamente quebrou e todos lá tentaram se proteger. Rachel e Naomi, assim como Serena, jogaram-se no chão para se proteger. Chad olhou para lá e viu o exato momento em que a primeira chaminé caia, e a única coisa em que pensou foi que ali Alice deveria ter morrido e que se estivessem lá dentro, aconteceria exatamente do jeito que viu.

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
8 Comentários

Comentário(s)

8 comentários:

  1. nossa sem palavras isso foi o segundo capitulo? isso vale por uma historio inteira muito bom.
    dois visionários muito bom

    ResponderExcluir
  2. Caramba, o clichê passa longe dessa historia as ordens da morte são diferentes, sem falar que duas pessoas tiveram a premonição.

    ResponderExcluir
  3. Cara to vendo o cinema pode melhorar um dia !!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Perfeito demais...Consigo ver como "Premonição 6" essa história,você consegue prender nossa atenção,geralmente livros desse assunto não nos prende tanto quanto o filme,e você consegue isso.

    ResponderExcluir
  5. Impressionante !!,o Premonição 6 deveria ser essa história e gostei de ter sido duas pessoas que tiveram a premonição ao invés de uma quebrou totalmente o clichê adorei.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom! Vc Tem Talento!

    ResponderExcluir
  7. Amei muito já sou sua fã João Lindley!
    E também do nefférson. kk

    ResponderExcluir