terça-feira, 6 de dezembro de 2011

[Crítica] Sector 7


Direção: Ji-hun Kim
Ano: 2011
País: Coréia do Sul
Duração: 101 minutos
Título original: 7 Gwanggu

Crítica:

Chega de se aventurar nas prateleiras de lançamentos da locadora, já estava mais do que nada hora deu voltar a falar dos lançamentos na internet. Sabe como é, são aqueles filmes que são lançados, mas apenas depois de anos vêm parar em território nacional (isso quando eles são lançados, não é verdade?). Aproveitando este desejo, percorri a internet em busca de algo do meu interessante e, mais uma vez, achei dois títulos, Sector 7 e DeadHeads.

A história deste filme segue uma equipe de mineração, que sonha encontrar petróleo numa plataforma ao sul da ilha Jeju, no Setor 7. Depois de anos sem encontrar nada, é enviada uma ordem para o cancelamento da operação. Logo, um Capitão chega afim de acompanhar a retirada dos trabalhadores do local e acaba sucumbindo aos fortes desejos de uma jovem, que ainda tem esperanças de encontrar alguma coisa. Não demora muito para que eles realmente encontrem, mas, ao invés de petróleo, um monstro gigantesco surge das águas e começa a eliminá-los, um a um. Isolados, eles terão que se unir e lutar contra a criatura ou se entregar a morte certa.

Acreditem em mim, o perigo não está apenas nas locadoras. Estes lançamentos ocasionais na rede podem ser traiçoeiros. Estou triste, uma vez que tinha altas expectativas quanto a este filme. Em todos os sites especializados em que eu entrava, só se comentava que Sector 7 era o novo Alien Koreano. Grande blasfêmia! Sector 7 é um desperdício de tempo e uma grande idéia. Pior ainda, é se considerarmos que o filme tinha um forte potencial para ser grandioso, mas acaba afundando junto da proposta.

Vamos começar com os pontos positivos ou negativos? Vamos para os negativos porque hoje eu estou maligno. O que mais estraga o filme são as atitudes idiotas dos personagens. Antes do monstrengo aparecer, somos obrigados a acompanhar uma sucessão de diálogos idiotas. Acho que a intenção era nos fazer simpatizar com os personagens, mas isso só me deu vontade de vê-los morrer mais rápido. E o pior é que o roteiro ainda tenta introduzir humor negro, uma mistura insolúvel neste filme, que acabou colhendo um resultado amargo. Outra coisa que eu não entendo, é porque pessoas "especiais" (leia-se "malucas") estão fazendo no Setor 7. Em um lugar perigoso daquele, onde cada erro pode ser fatal, impressiona ver que qualquer descerebrado pode se habilitar.

Os efeitos especiais do monstro não são ruins, apesar de que o CGI se mostra fraco em diversos momentos. A explicação para a origem do monstro também é interessante, além de original, uma das únicas coisas racionais de todo o roteiro. Agora, a melhor parte do filme é, com certeza, o terceiro ato, quando temos aquela luta épica entre a protagonista e a criatura. É um dos únicos momentos que prestam, com direito a luta, correria, esconde-esconde e muitas outras coisas legais. Foi realmente legal ver a protagonista caindo no braço com o monstro, com uma chave de fenda.

Mas para poder ver esta cena, tem que enfrentar a tortura que é o resto do filme. Aliás, eu até agora não entendi porque o monstro não morde suas vítimas. Ele só usa a língua e fica sacudindo suas vítimas para todos os lados. Muito graça! Eu queria ver gente sendo devorada e partida ao meio. Então se você tem expectativa de ver algo sangrento, pode riscar este filme da sua lista. Bem, é uma pena mesmo. Tinha tudo para ser bom, mas acabou caindo em armadilhas clichês e cenas ridículas, como o momento em que certo personagem fica batendo palmas. Era para ser engraçado? Não recomendo, mas serve de curiosidade. Nota 6,0.

Trailer:


Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
4 Comentários

Comentário(s)

4 comentários:

  1. não concordo com essa critica acima, acho que a pessoa q cria essas criticas não é acostumado a assistir filmes asiáticos, pois o jeito deles de se fazer filmes de terror é diferente, como?, bem primeiro q filmes de terror asiático é sempre bem mais longo q q os americanos, segundo q sempre nesses filmes eles querem q vc primeiro conheçam a fundo cada personagem para depois na hora da ação vc saber do q eles são capazes e não se surpreender com atos totalmente impossíveis , dai muitos vão dizer "na hora do desespero as pessoas fazem coisas impossíveis", bem não assim e por ultimo todos os diálogos ditos no decorrer do filme são de suma importância para o desenrolar da historia, e porque eles fazem isso?, porque simplesmente eles não querem fazer como certos filmes americanos q fazem continuações de filmes q vc já sabe da história e colocam apenas inventam mais e mais fatos para uma historia já contaDA,.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o Ramon... Prefiro filmes asiaticos que os americanos!!!! Adorei esse filme, me coloco mais medo do que muitos filme americanos!!!!! Odiei a critica, assista mais filmes asiáticos e aprenda mais, depois você fala mal deles!!!!

    ResponderExcluir
  3. O FILME É SUPER BEM EU ASSISTO MUITO FILMES ASIÁTICOS DO GENERO TERROR E A CRITICA PRA MIM É UMA PORCARIA AGORA ME FALE OS AMERICANOS FAZ QUANTO TEMPO QUE ELES NÃO FAZEM FILMES DE MOSTROS O FILME É OTIMO PERFEITO

    ResponderExcluir
  4. realmente o filme é bom , ei nefferson Ribeiro eu estranhei voce não gostar deste filme e dizer que o filme DeadHeads é melhor,não achei isso não,mas fazer o que né gosto é gosto,podem assistir este aqui pois é bom e eu vou assisti-lo de novo,pois vale a pena.nota 7/8

    ResponderExcluir