Especial

Foto:

[Crítica] Identidade

Direção: James Mangold
Ano: 2003
País: EUA
Duração: 87 minutos
Título original: Identity

Crítica:

O segredo está lá dentro.

Vocês já perceberam que eu adoro ressuscitar antigas produções não é? Seja dos anos 80, 90, e seja com qualquer pessoa, sempre bate aquela saudade de um filme que a gente viu há muito tempo e que, apesar do clichê global, vale a pena ver de novo. Agora é a vez de um dos meus thrillers psicológicos preferidos, que eu acho que todo mundo pelo menos já ouviu falar, ou viu algumas cenas corridas enquanto ele estava sendo exibido na TV aberta.

No filme acompanhamos um grupo de pessoas que acaba tendo que passar a noite num hotel devido a uma tempestade que bloqueou todos os caminhos. Entre os mais derivados tipos de personalidades com vários tipos de problemas, eles vão perceber que o alívio de ter encontrado um lugar pra ficar vai durar pouco, pois um assassino está a solta, e ele está matando um por um em nome do misterioso segredo que envolve a presença de todos eles naquele local.

Elenco ótimo. Situações, melhores ainda. Reviravoltas então, nem se fala. Sério que ainda tem gente que consegue falar mal desse filme? Porque apesar de ser um slasher complexo, não é preciso ser nenhum intelectualoide pra entender o que estava acontecendo. E se formos avaliar pelo lado das mortes, vamos ver que é bem difícil ver um bom slasher com mortes uncut. Eu estranhei, confesso que até reclamei, mas no final tudo foi essencial pra revelação do assassino e otras cositas más.

Agora, é claro que colocando um elenco de primeira o filme só iria melhorar. Gente, a Amanda Peet como prostituta boazinha deu um show junto com a Clea DuVall de mulher infeliz no casamento, elas até fizeram uma parceria. Pena que o filme tinha bastante história e muita gente, o que acabou fazendo alguns sumirem rapidamente da trama. Outro que se saiu muito bem foi o John Cusack. Gente, ele já tinha cara de assassino e possuía uma áurea depressiva em volta de si, mas ao mesmo tempo era o protetor e o único que parecia querer ajudar mesmo as pessoas ali dentro.

Gostei também da apresentação dos personagens, foi bem instigante. Ela usou e abusou do tempo psicológico e misturou a ordem dos fatos. Pra ser mais exato, a gente só vai descobrir o motivo por ter um sapato de zebra no meio da estrada depois que o pneu do carro já furou. Quem não assistiu ao filme e não entendeu o que eu acabei de dizer, não se preocupe, se seguir minha recomendação vai ver que tudo faz sentido.

E falar em tudo fazendo sentido, que final foi esse? Pelo amor de Deus, os roteiristas queriam que a gente ficasse em choque eterno, só pode. Recomendo muito, aliás, é bom pra ver com os amigos. Não sei vocês, mas adoro aquelas carinhas surpresas quando assistem a algo que eu gosto. Só falta agora lançarem o filme CPF pro cinema virar cidadão. Nota 9,5. 

Trailer:
Comentário(s)
5 Comentário(s)

5 comentários:

  1. vanessa vasconcelos19 de dezembro de 2011 21:28

    eu ainda nao entendi esse filme direito,e olha que eu já assisti 3 vezes ,o assassino é o cuzack mesmo? SÉRIO? eu achei que fosse o moleque.

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro esse filme,já assisti muitas vezes recomendo para quem ainda não assistiu.Vanessa,eu poderia explicar o filme pra vc mais se eu colocar aqui vai virar um mega spoiler.

    ResponderExcluir
  3. Olha entender esse filme é difícil. E Isso que o torna magnifico

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkk
    eu ri muito de alguém perguntando ali em cima se o assassino é o cuzack! veja o filme novamente, preste muita atenção nos diálogos

    ResponderExcluir
  5. já tentei assistir esse filme várias vezes + sempre trava no final, alguém sabe onde posso encontrá-lo

    ResponderExcluir