sábado, 5 de novembro de 2011

[Crítica] The Vampire Diaries - 3x08: Ordinary People


This season, daddy comes back home.

Crítica:
(Spoilers Abaixo)

Se existe alguma série que tem a facilidade de me deixar chocado, é esta. Sério, gente! Que episódio foi esse, meu Deus? Os roteiristas desta série são simplesmente geniais. Eles constroem uma história sólida e complexa e, num futuro próximo, a destrói, mostrando várias mentiras e outras versões, como foi a caso da maldição do Klaus. Tivemos várias reviravoltas para sabermos do que realmente se tratava. E agora, vamos o mais fundo possível nesta história. Acho que finalmente chegamos a verdade de tudo, mas com The Vampire Diaries, quem sabe, né?

Pelo visto, o episódio passado realmente foi o fim dos vampiros. O calor maldito que nunca morre parece ter outra função dentro da trama além de ressuscitar os mortos. Estava mais do que na hora da história centrar na família Original, e eu devo dizer, o episódio não decepciona nem um pouco. Recebemos tantas informações neste oitavo episódio, que é até difícil comentar sobre todas elas, mas vou tentar. Primeiro de tudo, devo confessar que adorei o fato do episódio inteiro ter sido centrado na Rebekah, e seu ponto de vista.

Até agora, não tivemos muitas chances de conhecer o interior da personagem, sempre aparentando ser uma vampira-poderosa fútil. Mas é verdade, ele é isso mesmo, mas tem uma parte oculta que ninguém podia imaginar. Nos flashbacks, vimos que ela já foi uma garota doce e dedicada a família, mas, com o passar dos tempos, a maldição e dos seus problemas familiares, acabou de tornando uma pessoa ruim e amarga por dentro. Foi interessante ver que ela estava no centro de tudo, podendo contar tudo com detalhes. Bem, quase tudo, até porque, era a visão dela e já podíamos imaginar que os roteiristas iriam se aproveitar disso para fazer aquela reviravolta cretina que nós tanto gostamos.

A reviravolta em questão é sobre a morte da bruxa original, que era a mãe do Klaus e Rebekah. Acontece que a Rebekah sempre achou que seu pai havia matado sua mãe, mas não era verdade. Elena, numa crise de inteligência, olhou para os desenhos tribais e logo matou a charada. Klaus matara a própria mãe num ataque de ódio por ela tê-lo rejeitado. Temos dois pontos importantes para comentar deste passado sombrio. Primeiro, a bruxa original era uma vadia, dando para os lobinhos vizinhos da tribo. Segundo, foi muito inteligente colocar Mikael como o patriarca da família. Se pensarmos bem, era o único jeito dessa ameaça que ele causa no Klaus se comprovar, de fato.

Eu ainda estou inquieto porque a minha VampBitch ainda não apareceu. Sinceramente, não acho que ela esteja morta. Tenho certeza que ela irá aparecer em breve, quem sabe, no próximo episódio, o último antes do grande hiatus. Estou apostando todas minhas fichas que ela aparecerá linda e promíscua no nono episódio, rindo da cara do perigo. Mikael já deu as caras, fazendo um pequeno jogo de "quanto você ama o seu irmão" com o Damon e o Stefan. Parece que a resposta que estamos procurando é "muito", já que, mesmo hipnotizado em satanás, Stefan deu um jeitinho de contornar a situação.

Até mesmo a Elena teve que reconhecer que está fora da jogada. Se tem alguém que pode trazer a humanidade do Stefan novamente, é o seu irmão. Ponto final! Achei digno. Bem, papai acaba de voltar para casa e quer saber quando seu filho lobinho virá recebê-lo. Isso tudo vai acontecer no próximo episódio, logo no último deste ano. Alguém tem dúvidas de que este episódio será de tirar o fôlego? Eu não. Aliás, eu só espero que a Rebekah não morra, deu muita pena da personagem chorando no final. Ela realmente acreditava no irmão e foi traída. Espero que ela se junte ao Mikael e continue mais tempo na série. Até semana que vem!
Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. No 2o paragrafo, é o fim dos fantasmas né? eu fiquei meio confusa hahaha.
    Enfim, adorei esse episódio por vários motivos também. Primeiro, achei muito legal o Stefan ter contornado a compulsão pelo Damon e não pela Elena.
    Aliás, ele episódio foi tudo sobre familia. Coitada da Rebekah, ela só queria ter uma família e acabou confiando na pessoa errada. Se ela se voltar contra o Klaus vou gostar muito. O próximo episódio deve ser muito bom, só pra deixar-nos mais ansiosos ainda pra depois do hiatus.

    Seu blog está salvo nos meus favoritos. Muito bom aqui, parabéns =]

    ResponderExcluir