domingo, 13 de novembro de 2011

[Crítica] Monte Carlo


Direção: Thomas Bezucha
Ano: 2011
País: EUA
Duração: 109 minutos
Título original: Monte Carlo

Crítica:

Ela está vivendo a vida de outra pessoa.

Vocês já tiveram uma sensação estranha ao ver um filme? Sabe, quando no meio da história, você tem aquela sensação básica que de já viu tudo aquilo antes? E eu não estou falando de um acidente mortal em Premonição. Estou falando de um filme que é tão parecido com outro que parece mais um remake. Sim, meus queridos, eu tive esta sensação com Monte Carlo. Mas será que o filme se tornou uma cópia descarada ou pode existir decência neste roteiro “inspirado”?

A história acompanha Grace, uma garota que sonha em ir para Paris e, depois de sua formatura, vê seu grande sonho se tornar realidade. Junto de sua amiga, Emma, e sua meia-irmã, com quem não se dá muito bem, ela parte para a cidade luz (ou cidade do amor como insiste em dizer alguns personagens). Logo, as três descobrem que pagaram por um péssimo serviço e se perdem do ônibus de excursão que contrataram. Não demora muito para que Grace seja confundida por uma milionária que vive sendo capas de revistas e tome o seu lugar, viajando com sua amiga para Monte Carlo. Lá, as garotas aprendem o significado do amor e que nenhuma mentira dura para sempre.

Entenderam sobre o que eu estou falando? Garota simples é confundida com Celebridade na Europa, alguém já viu essa história antes? Sim, estou falando de Lizzie McGuire - Um Sonho Popstar, com a fofa da Hilary Duff. Apesar do roteiro ser uma xerox, existe um ar de originalidade na obra. Não, não estou falando que é emocionante e anti-clichê, estou apenas dizendo que é diferente de Lizzie McGuire. Enquanto o filme da Duff centra nas cenas mais engraçadas, Monte Carlo prioriza o drama e a relação de seus personagens.

Mas não esperem por nada realmente original. Temos todos aqueles elementos bobos de comédia românticas e não temos nenhuma cena realmente engraçada. Na verdade, nós mal temos algumas cenas mais engraçadinhas. O filme se destaca mesmo ao mostrar a relação das duas amigas com a meia-irmã de uma delas. No começo elas não se gostam muito, mas não demora para que a relação melhore a medida que as mentiras aumentem.

Monte Carlo pode ser considerado mais um daqueles filmes bobinhos, sem coragem para mostrar nada, uma coisa bem Disney. Uma das únicas coisas que segura e dá notoriedade ao projeto, é o seu elenco conhecido. Temos vários rostos conhecidos pelo público adolescente como Selena Gomez, Katie Cassidy (Natal Negro), Leighton Meester (Colega de Quarto) e Cory Monteith (da série Glee). Uma curiosidade é que o filme, no começo, era para ter um elenco mais adulto. Nicole Kidman e Julia Roberts eram, originalmente, as estrelas do filme, mas os produtores acharam que venderia mais um apelo adolescente.

Uma verdadeira idiotice esta decisão, uma vez que seria ótimo ver Kidman e Roberts neste filme, talvez até elevasse o nível da produção, que é baixíssimo. Selena Gomez como Celebridade é horrível e nunca vi coisas mais clichê. Eu não recomendo este filme, porque é mais do mesmo, não tem nenhum cena que me faça querer reassistir. Se vocês gostam do elenco, que é o único atrativo – como eu já falei -, dêem uma chance ao filme. Mas, se vocês não suportam mais estas mesmas histórias, passem longe. Nota 6,5.

Trailer Legendado:


Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. VANESSA VASCONCELOS14 de novembro de 2011 14:23

    CONCORDO COM TUDO QUE VC FALOU, O FILME É UM LIXO. COITADA DA MESTER E DA CASSIDE,PORQUE DA SELENA GOMES EU NUNCA BOTEI FÉ EM PORRA NENHUMA QUE ELA FEZ, Ô MENININHA BABACA . ELA E O DEMENTE DO JUSTIN BIBA KKKK.

    ResponderExcluir