segunda-feira, 4 de agosto de 2014

[Crítica] Capitão América: O Primeiro Vingador


Direção: Joe Johnston
Ano: 2011
País: EUA
Duração: 124 minutos
Título original: Captain America: The First Avenger

Crítica:

Vingue-se.

Apesar de ter ficado um pouco afastado dos últimos lançamentos, é inegável que iria conferir as novidades da nova fase da Marvel. Uma das mais aguardadas produções de 2014 foi a sequência de Capitão América: O Primeiro Vingador, que conquistou não só o público como também os críticos. Os super-heróis definitivamente estão invadindo os cinemas com muito mais frequência, e os estúdios estão apostando alto em adaptações bem feitas, e todo o cuidado em torno de expandir suas próprias mitologias. Quem ganha com tudo isso são os fãs, que estão vendo as histórias que leram ganharem vida com uma qualidade nunca vista antes.

A história se passa durante a 2ª Guerra Mundial, e segue Steve Rogers, um jovem que aceitou ser voluntário em uma série de experiências que visam criar o super soldado americano. Os militares conseguem transformá-lo em uma arma humana, mas logo percebem que o super soldado é valioso demais para pôr em risco na luta contra os nazistas. Desta forma, Rogers é usado como uma celebridade do exército, marcando presença em paradas realizadas pela Europa no intuito de levantar a estima dos combatentes. Para tanto passa a usar uma vestimenta com as cores da bandeira dos Estados Unidos: azul, branca e vermelha. Só que um plano nazista faz com que Rogers entre em ação e assuma a alcunha de Capitão América, usando seus dons para combatê-los em plenas trincheiras da guerra.

Todo o clima deste filme, e sua trama com o vilão armando planos mirabolantes para "dominar o mundo", remete aos filmes mais antigos, onde os caras maus tinham um enorme desejo de dominar o planeta. Diversos filmes da franquia 007 já exploraram essa ideia, e o enredo de Capitão América faz uma pequena homenagem a eles. Ao falar do assunto, um outro ícone vem a minha gente: Pink e Cérebro. É um verdadeiro clássico da dominação mundial, não é mesmo? Mas voltando ao filme em si, ele é diferente dos outros lançados ultimamente, até porque, se passa em outra época. Somos levados diretamente para o passado, no coração de uma guerra real que abalou todo o mundo.

Não conheço a história de origem do Capitão América nas HQs, mas fiquei bastante impressionado com sua história nesta adaptação. É inegável que os efeitos visuais não favoreceram apenas as cenas frenéticas de ação, mas também servirão para chocar visualmente os espectadores em torno da aparência do protagonista antes de se submeter ao procedimento que o modificou. Chris Evans é um cara forte e grande, então vê-lo preso naquele corpo pequeno e frágil foi realmente chocante. Com estes convincentes efeitos ao seu favor, o diretor também pôde desenvolver um pouco mais seus aspectos físicos, e fazer um paralelo entre sua força espiritual e o seu patriotismo.

Em se tratando de um filme em que o protagonista lança o seu escudo com frequência, esperava bem mais dos efeitos em terceira dimensão. Há diversas cenas que este recurso poderia ter sido melhor explorado, não só em torno da arma do herói, mas também nas cenas de guerra, onde há diversas sequências de combate, destruições e tiros - e nenhum deles vem em nossa direção. Para não dizer que não há nada em 3D, confesso que existe uma cena em que o escudo sai da tela. Acontece bem rápido, então não pisquem, ou irão perder. E se o 3D não é usado para vir na cara do espectador, pelo menos serve para dar ainda mais profundidade aos cenários da trama.

Como já era de se esperar, as cenas de ação são muito boas, e a maioria mostra o Capitão América lutando sozinho contra um grande número de inimigos. Vale destacar também que o enredo apresenta elementos já vistos no filme Thor, reforçando a proposta de que tudo está entrelaçado. Outro ponto positivo em torno de Capitão América: O Primeiro Vingador é que o filme consegue equilibrar bem suas cenas de humor com outras mais sérias. Acredito que tenha sido uma ótima adaptação de origem, o que abre diversas oportunidades para o desenvolvimento da trama da segunda. Marvel continua surpreendendo, e entregando filmes divertidos e bem adaptados. Sem contar que consegue expandir o seu universo de uma forma surpreendente a cada novo título lançado.


Trailer Dublado:

Compartilhe
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...
Comentários
1 Comentários

Comentário(s)

1 comentários:

  1. Eu gostei dos 2 filmes - embora tenha achado esse primeiro mais 'paradão' -,rumores indicam que a Peggy Carter(que aparece jovem nesse e idosa na continuação) vai aparecer no 3,confere? E tenha uma sugestão,por que não começam a fazer mais críticas de filmes? Fico no aguardado do elogiado X-Men - Dias de um Futuro Esquecido(sim,eu já o assisti,e é um dos melhores filmes do ano) e O Espetacular Homem Aranha 2,sem nem colocar aquele subtítulo besta - até por que o clímax do filme nem foi por causa dele,e sim pelo Duende Verde(II)/Macabro,enfim,os filmes de herói estão a todo vapor,e agora é conferir se saem os solos da Mística(FOX),Pantera(Marvel),WW(Warner/DC)!!

    ResponderExcluir